Rieu

10/06/2018

Amor Sem Fim


Amor Sem Fim


Não é fantástico quando você faz uma caminhada e toma uma lufada de ar fresco? Quando enche os pulmões de oxigénio, sente-se com a cabeça mais clara e energizada. O ar traz consigo a energia do Divino e permite ao mundo inteiro e a todos os seus habitantes que o tomem sem preconceito. Muitas tradições deram-lhe diversos nomes. Às vezes é chamado de Prana ou Chi, mas é o sopro da vida. Está em toda a parte e é sempre abundante. Esta força de vida, desconhecendo qualquer discriminação, viaja para cada pessoa, cada animal e cada árvore igualmente. Não tem preço, nem limite. Esta energia invisível da vida representa a abundância do amor do Criador por nós, mas, no entanto, há ainda momentos em que sentimos falta. Não reconhecemos a abundância que nos pertence, por isso podemos sentir-nos esgotados e em escassez, ou ainda que alguém tem algo mais que nós. Tais pensamentos, no entanto, são ilusórios. Quando nuvens escuras cobrem o sol, não continua ele a brilhar sustentando todas as coisas vivas? Sentimentos de falta são apenas nuvens escuras cobrindo a verdade da abundância infinita que existe para cada um de nós neste Universo.

Tal como a quantidade inesgotável de ar que se espalha por todo o mundo, o Universo é abundante em luz do divino. Esta semana somos confrontados com as nossas ilusões. O cosmos ajuda-nos a ver, além destas nuvens escuras, a Luz brilhante que nos espera. Se pudermos apenas parar por um momento e respirar fundo, certamente descobriremos que o Universo nunca tem falta, pelo contrário, transborda de energia, ideias, prosperidade e, o mais importante, de um amor infinito.

Esta semana, o nosso guia e antídoto é a porção de Korach. Korach era o nome de um dos israelitas. Mesmo depois do amor e dos milagres que tinha testemunhado, Korach começou a sentir falta e dúvida na sua vida. Sentiu que Moisés e Aarão, os líderes nomeados pelo Criador, não eram dignos de liderar. Queria estar no controlo. Sentiu medo e deixou de confiar no seu próprio processo, tal como no processo dos israelitas. Korach, juntamente com outros israelitas, iniciou uma revolta, uma rebelião contra Moisés e Aarão e, indiretamente, contra o próprio Criador. Eles não sentiram ou confiaram no amor ou no plano do Criador. Queriam entrar no processo e envolver-se, em vez de confiar e permitir que o Criador, Moisés, e Aarão os liderassem. A revolta levou o Criador a fazer a terra consumir Korach e os seus seguidores e todos pereceram.

Embora Moisés e Aarão fossem mensageiros do Criador, Korach e o seu povo, consumidos pelo medo e um sentimento de pobreza, só viam neles negatividade. No dia seguinte, os israelitas, agora como um todo, acusaram Moisés e Aarão de matar Korach e os seus seguidores. Embora a integridade de Moisés e Aarão já tivesse sido demonstrada no passado, o Criador deu ao povo outro sinal para reassegurar os israelitas de que Moisés e Aarão eram realmente os seus verdadeiros líderes e que eram ser confiáveis. O amor e o plano do Criador estiveram sempre lá e foram mostrados muitas vezes aos israelitas, mas estes ainda ficavam, por vezes, cheios de medo e dúvidas. Como o ar à sua volta, invisível e envolvendo a todos, assim, também, era o amor do Criador, mas eles não conseguiam conectar-se a Ele. Caíram nas nuvens escuras da falta e do medo.

Como em cada porção da Bíblia, lemos sobre pessoas que viveram milhares de anos atrás, mas estamos realmente a ler sobre nós mesmos na atualidade. Esta é a magia da Torá. É o nosso guia e tónico que nos é dado apenas no momento preciso, ao longo do ano, para lutar com as forças celestiais disponíveis. Muitas vezes, na nossa vida, também duvidamos do nosso processo. Vemos outros em posições que queremos ou possuindo coisas que desejamos. Perguntamo-nos se o Criador nos esqueceu, ou até mesmo se o Criador ainda nos ama. Como os israelitas no deserto, ficamos assustados e podemos esquecer num segundo o amor e plano do Criador. Em vez de “deixar ir” e “entregar a Deus”, podemos encontrar-nos em pânico a querer envolver-nos, manipular e controlar. Esta é a nossa lição esta semana e a lição de Korach. Em momentos e períodos de medo e dúvida, cabe-nos fazer uma pausa e respirar profundamente, lembrando que o Criador nos ama, quer o melhor para nós, e tem um plano. Às vezes, quando queremos desistir e baixar os braços, podemos restabelecer a conexão com a Divindade no nosso interior e, mais uma vez, sentir a abundância e o amor que o Universo tem armazenado para nós.

Esta semana, na sua meditação, vá até lá fora, para o ar livre - talvez para uma praia, ou para um bonito prado - e inale. Respire fundo. À medida que o faz, permita que medos, preocupações e escassez se evaporem. Lembre-se de que não há pobreza no Cosmos. O amor do Criador é como o ar, omnipresente, sempre fornecendo e sempre sustentando. Deixe o Prana, Chi, e sopro da vida encher-lhe os pulmões e satisfazer-lhe o espírito. O ar é infinito e o amor também. Stresse, ansiedade, e dúvidas desaparecem e você fica tranquilo. Dê-se permissão para sentir paz no seu coração, conhecendo o amor infinito que preenche o seu ser e o mundo.

Na verdade, tal como o ar, o Criador está em todo o lado, e faz parte de tudo. Às vezes, tudo o que precisamos para renovar a nossa conexão é respirar fundo e lembrar-nos que o Criador está de facto connosco. Sempre.

Se você receber este e-mail de um amigo e gostaria de subscrever: clique aqui

Karen Berg